quinta-feira, 5 de março de 2015

Circunspecção

«“Ora”, o conde levantou uma garrafa. “Acho que isto está fresco.”
Eu trouxe uma toalha e ele enxugou a garrafa e ergueu-a. “Gosto de beber champanhe de magnums. O vinho é melhor, mas teria sido demasiado difícil refrescá-lo.” Segurava a garrafa, olhando-a. Preparei os copos.
“Ouça. Podia abri-la”, Brett sugeriu.
“Sim, minha querida. Agora vou abri-la.”
Era espantoso champanhe.
“Ora, isto é que é vinho”, Brett ergueu o seu copo. “Devíamos brindar a qualquer coisa. ‘Cá vai à realeza.’”
“Este vinho é demasiado bom para beber em brindes, minha querida. Não queira misturar emoções com um vinho destes. Perde o sabor.”
O copo de Brett estava vazio.
“Devia escrever um livro sobre vinhos, conde”, disse eu.
“Mr. Barnes,” respondeu o conde, “tudo o que eu quero dos vinhos é apreciá-los.”
“Apreciemos um pouco mais deste”, Brett empurrou o seu copo para diante.
O conde verteu muito cuidadosamente. “Pronto, minha querida. Agora aprecie esse devagar, e depois pode ficar bêbeda.”
“Bêbeda? Bêbeda?”
“Minha querida, você é encantadora quando está bêbeda.”
“Ouçam o homem.”
“Mr. Barnes”, o conde encheu o meu copo. “Ela é a única senhora que jamais conheci que é tão encantadora quando está bêbeda como quando está sóbria.”
“Você não tem andado muito por aí, pois não?”
“Sim, minha querida. Tenho andado muitíssimo por aí. Tenho andado por aí um grande bocado.”
“Beba o seu vinho”, disse Brett. “Todos temos andado por aí. Atrevo-me a dizer que aqui o Jake tem visto tanto quanto você.”
“Minha querida, estou certo de que Mr. Barnes tem visto muito. Não pense que não penso assim, cavalheiro. Tenho visto muito também.”»

Ernest Hemingway, em Fiesta (1926)

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Amar Beber Calar

Tão cedo passa tudo quanto passa!

Tão cedo passa tudo quanto passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
          Morre! Tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina. Circunda-te de rosas, ama, bebe
          E cala. O mais é nada.

Ricardo Reis (1923)

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

As bodas de Caná

«No terceiro dia, houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava lá. Jesus e os seus discípulos também foram convidados. A certa altura da boda faltou o vinho. Então a mãe de Jesus disse-lhe: “Já não têm vinho!” Jesus respondeu: “E que temos tu e eu a ver com isso, mulher? A minha hora ainda não chegou.”

Ela então disse aos criados de mesa: “Façam tudo o que ele vos disser.” Havia ali seis vasilhas de pedra das que os judeus utilizavam para as suas cerimónias de purificação. Cada uma levava uns cem litros de água. Jesus mandou aos criados: “Encham de água essas vasilhas.” Eles encheram-nas até acima. Depois disse-lhes: “Tirem agora um pouco e levem ao mestre de cerimónias para ele provar.” Eles assim fizeram. O mestre de cerimónias provou a água transformada em vinho. Não sabia o que tinha acontecido, pois só os criados é que estavam ao corrente do facto. Mandou então chamar o noivo e observou-lhe: “É costume nas bodas servir primeiro o vinho melhor e só depois de os convidados terem bebido bem é que se serve o menos bom. Mas tu guardaste o melhor até agora!”

Deste modo, em Caná da Galileia, Jesus realizou o primeiro dos seus sinais. Assim manifestou a sua glória e os seus discípulos creram nele.»

João 2

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Senso e sensibilidade

«Ernest parecia contente com as rotinas de comer e beber que tinha imposto a si mesmo. Bebia um copo de vinho ao almoço, uma quantidade moderada ao jantar, e mantinha o seu Scotch nocturno reduzido a duas doses. O seu almoço favorito era um copo de vinho tinto e uma sanduíche de manteiga de amendoim e cebola crua. Pela primeira vez desde que eu o conhecia, ele ia livremente a casa de outras pessoas jantar, pois todos eram bons amigos que o deixavam fazer as próprias bebidas e em cuja comida simples de Ketchum ele podia confiar. Levava sempre o vinho, que seleccionava das suas reservas de garrafas boas mas relativamente baratas. “Desisti dos vinhos caros pela Quaresma de 1947”, Ernest explicou certa vez, “e nunca os retomei. Também deixei de fumar muito antes disso, porque o fumo de cigarro é o pior inimigo do nariz, e como é que se pode apreciar um bom vinho que não se consegue verdadeiramente cheirar?”»

A. E. Hotchner, em Papa Hemingway: A Personal Memoir

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O Grande Lu

Outra coisa que tenho em comum com o grande Lu (Para ser grande, sê inteiro): eu também não acredito por aí além na Medicina.



quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Sinais

Cultura, história, sabedoria: Fernando Alves com o Prof. Virgílio Loureiro, primeiro molhando a palavra em branco de talha, depois voltando da Amareleja. O exemplo dos antigos e o exemplo da Geórgia. Sinais de apreensão.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Belém, Belém, Belém

Quinze minutos à Belenenses justificam brindar. E o 169.º aniversário do Eça também. À sua! À do Lu, verdadeiro adepto verdadeiro, que vale por uma ― duas ― dez claques! À nossa!


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Soluço quase erótico

Uma flor que colhi há semanas na ficha técnica do Malhadinhas branco e deixei a secar na pasta dos descarregos:

«Aroma | Intenso, selvagem quase erótico.»

Vinhos feitos com Folgasão é no que dá.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Soluço moral

Beber com moderação, mas sem cobardia.


A propósito, ainda se apanha por estes dias no Aldi o Moscatel de Setúbal da Adega de Palmela, a colheita de 2012, premiada pela Decanter com medalha de prata, a cerca de 3,50 €. Não ajas como se foras viver dez mil anos, nem como se foram eternas as promoções dos supermercados.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Soluço espiclondrífico

No folheto da actual campanha de vinhos do Continente, que brinda o povo com as espiclondríficas, “lavantes” e “sucrosas” notas de prova de Aníbal Coutinho, lê-se esta explicação dos vinhos do Alentejo:

«Produzidos sobre sol intenso, tornam-se vinhos com uma graduação acima da média nacional, que lhes confere um sabor macio.» Ou seja, os vinhos alentejanos são mais alcoólicos do que os outros porque apanham sol por baixo. E depois:

«Os brancos caracterizam-se pelas suas cores e aromas expressivos, dominados pelas castas presentes em maior quantidade.» Portanto, as castas presentes em menor quantidade não logram dominar. Nos brancos alentejanos, pelo menos.

Dúvidas? Então podem sair e ir ao Continente comprar Vinha do Putto. Diz que tem notas de pastelaria doce. Mesmo a pastelaria que eu mais gramo.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

A fé da malta

Hoje, se o leitor me dá licença, faz anos o meu clube: o Clube de Futebol Os Belenenses. (Clube de Futebol. Não é Futebol Clube. Não é Sport nada. É Clube de Futebol. Os rapazes da praia eram portugueses de Belém.) 95 anos.

A data justifica que se saia de casa propositadamente para comprar um Ramos Pinto, digamos um Bons Ares ou um Duas Quintas. Porque os brindes, os vivas e os votos desta noite hão-de ressoar sobre os telhados do mundo a fé da malta: ― Com este símbolo, vencerás.